“GIRL FROM RIO”, de Anitta e o seu poder de expressão cultural


No dia 29/04 a cantora Anitta realizou o lançamento da música “Girl From Rio” e já alcançou milhões de visualizações em suas redes e outros canais.


O que quero abordar com vocês é as sutilizes dessa música e, porque, você deve olhar ela com outros olhos e ouvidos.


Aparentemente parece uma música simples formulada em uma releitura do clássico da Bossa Nova “Garota de Ipanema”, por isso eu trago ambas as músicas lado-a-lado ao fim dessa análise para vocês compararem por si mesmos.


A música vem cantada em inglês, com breves trechos em português, utiliza como “sample”, ou seja, amostras e trechos de uma música já existente, da música Garota de Ipanema escrita por Tom Jobim e letrada por Vinicius de Moraes em 1962.


A estética do vídeo clipe transpassa algumas décadas atrás que na minha visão remetem a “garota de Ipanema”, ao estilo clássico de Vinicius de Moraes:





Logo após e em diversas variações a Anitta demonstra a sua visão do Rio de Janeiro e me arrisco a dizer: a sua visão da garota de Ipanema: a praia deixa de ser um ambiente em tons pasteis, para ser uma praia de verdade, com todos os seus atores e sujeitas:





Essa não é uma transição vista somente no vídeo clip, mas também na própria música, a lógica é bem simples: a música na sua versão clássica é associada as roupagens e ao visual em pastel; a música com uma batida próxima do FUNK e POP ocorre quando o cenário se aproxima da realidade, em tons e personagens.


Por isso eu digo, há uma releitura da Garota de Ipanema, afinal, Anitta mostra suas vivências e muitas realidades que são vistas no Brasil: os bronzeados, mulheres com curvas, ter um irmão do mesmo pai, mas de outra mãe e o trecho: “Crianças tendo filhos como se fossem nada”.


Para completar com chave de ouro visualizamos Anitta sobre a perspectiva de um empoderamento em massa: no seu vídeo clip e na letra de sua música ela junta o máximo de sujeitos possíveis! Além disso, ela enfoca o papel da mulher forte aquém do clássico “sexo frágil” no seguinte trecho: “Eu acabei de ter que terminar com outro namorado (mais um?) Acho que ele não aguentou minha personalidade (não fala! Porque eu sou fria como o inverno, quente como o verão (sim)”.


Agora, nessa brevíssima análise trago a questão da língua. No próprio Oscar que estudamos e realizamos diversas lives na NÔMA percebemos algo nítido: americanos não gostam de ver filmes com legenda, o que é super comum para... digamos... todos os países do mundo???


Podemos verificar isso na fala do Diretor Bong Joon Ho do filme “Parasita” quando ganhou o Globo de Ouro: “Quando vocês superarem a minúscula barreira das legendas, vocês serão apresentados a muitos outros filmes incríveis.”


Da mesma forma é possível verificar que eles possuem uma recepção muito maior para músicas que são cantadas na sua própria língua e, assim, a chance de alcance é muito maior (outro exemplo disso são as músicas de K-pop cantadas em inglês). Dessa forma, é uma excelente escolha comercial.


Além disso, destaco que apesar de Anitta realizar essa escolha ela ainda mantém brevíssimos trechos em português o que funciona quase que como um movimento de resistência da nossa língua.


Por fim, retomo a Garota de Ipanema. Essa música é um dos clássicos brasileiros que, inclusive, é reconhecida internacionalmente, ou seja, podemos dizer que é uma música “bem conhecida”. Por isso, quando ouvi pela primeira vez a música da Anitta, percebi que não somente no começo eu identificava essa similaridade, mas parece que em vários trechos da música, no fim, isso se misturava e pareceria que ouvi a minha vida inteira essa música. Esse exercício de familiaridade que a Anitta conseguiu fazer pode insurgir esse reconhecimento em outras pessoas e, consequentemente vender muito mais. Essa sensação “nossa, essa música é tão familiar” tem impactos grandes no próprio consumo da música!


Esta é a minha breve análise sobre o assunto! O que acharam sobre essa música e seu impacto?


Garota de Ipanema - Tom Jobim

Ah, por que estou tão sozinho?

Ah, por que tudo é tão triste?

Ah, a beleza que existe

A beleza que não é só minha

Que também passa sozinha


Ah, se ela soubesse

Que quando ela passa

O mundo inteirinho se enche de graça

E fica mais lindo

Por causa do amor

Por causa do amor

Por causa do amor


Olha que coisa mais linda

Mais cheia de graça

É ela, menina

Que vem e que passa

Num doce balanço

A caminho do mar


Moça do corpo dourado

Do sol de Ipanema

O seu balançado é mais que um poema

É a coisa mais linda que eu já vi passar


Ah, por que estou tão sozinho?

Ah, por que tudo é tão triste?

Ah, a beleza que existe

A beleza que não é só minha

Que também passa sozinha


Ah, se ela soubesse

Que quando ela passa

O mundo inteirinho se enche de graça

E fica mais lindo

Por causa do amor


Girl From Rio (tradução livre) - Anitta

Lindas garotas, de onde eu sou, não parecemos modelos

Marquinhas de bronzeado, curvas largas e a energia brilha

Você vai se apaixonar pela garota do Rio


Deixa eu te falar sobre um Rio diferente

Aquele de onde eu sou, mas não aquele que você conhece

Aquele que você conhece quando não tem um real

Meu bem, é meu caso amoroso, é meu caso amoroso, sim


Acabei de descobrir que tenho outro irmão (ei!)

Do mesmo pai, mas de outra mãe

É algo que eu sempre quis

Meu bem, é um caso amoroso, é um caso amoroso, sim


Oh, nossa!

Eu entendi, entendi, entendi, entendi

Isso corre no meu sangue, oh

Eu amo isso, eu amo isso, eu amo isso, eu amo isso

Você já sabe disso, oh

Isso é muito comum

Sou sortuda, sou sortuda, sou sortuda

Eu sei, oh

É meu caso amoroso, sim


Lindas garotas, de onde eu sou, não parecemos modelos (oh, não)

Marquinhas de bronzeado, curvas largas e a energia brilha

Você vai se apaixonar pela garota do Rio

Vai malandra, gringo canta, todo mundo canta


Lindas garotas, de onde eu sou, não parecemos modelos

Marquinhas de bronzeado, curvas largas e a energia brilha

Você vai se apaixonar pela garota do Rio

Vai malandra, gringo canta, todo mundo canta


Honório Gurgel pra sempre (sou eu)

Crianças tendo filhos como se fossem nada (ah, é)

Sim, sou cria das ruas, eu sou favela (demais)

Meu bem, é meu caso amoroso, é meu caso amoroso, sim (ei, ei)


Eu acabei de ter que terminar com outro namorado (mais um?)

Acho que ele não aguentou minha personalidade (não fala!)

Porque eu sou fria como o inverno, quente como o verão (sim)

Meu bem, é meu caso amoroso, é meu caso amoroso, sim (sim, sim)


Sobre a Autora: Miriam Olivia é Doutoranda e Mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Professora e Advogada.

117 visualizações0 comentário